Análises Clinicas

Análises Clinicas

Bioquímica, Hematologia, Hormônio, Imunologia, Triagem neo-natal, Triagem pré-natal

mais
Genética

Genética

É o estudo da herança e da variabilidade.

mais
Citogenetica

Citogenetica

A análise citogenética clássica, CARIÓTIPO banda G, ainda é o teste mais utilizado para identificar alterações nos cromossomos humanos.

mais
Citogenômica

Citogenômica

A citogenômica possibilita detectar microduplicações e microdeleções em todo o genoma (FISH; MLPA; CGH-ARRAY/SNP-ARRAY).

mais
Aconselhamento genético/genômico

Aconselhamento genético/genômico

Visa estabelecer um diagnóstico, a etiologia, o prognóstico e o risco de repetição da doença na família.

mais
Biologia Molecular

Biologia Molecular

O que há de mais moderno em tecnologia para diagnóstico de doenças infecciosas, erros inatos, doenças hematológicas, imunológicas etc.

mais
Biologia Molecular

Biologia Molecular

  • Com aproximadamente 530 mil casos novos por ano no mundo, o câncer do colo do útero é o terceiro tipo de câncer mais comum entre as mulheres, sendo responsável pelo óbito de 275 mil mulheres por ano (INCA, 2011). Em 2011, esta neoplasia representou a quarta causa de morte por câncer em mulheres, com 5.160 óbitos, representando uma taxa de mortalidade ajustada para a população mundial de 4,66 óbitos para cada 100 mil mulheres.


    O Papilomavírus humano (HPV) possui um intrínseco relacionamento com a carcinogênese cervical (WHO, 2008) e a investigação da presença ou ausência dos genótipos oncogênicos do HPV é de grande importância, visto que a taxa de mortalidade bruta por câncer do colo do útero, por 100 mil mulheres baianas, nos últimos 30 anos, vem aumentando (INCA, 2011). Dentre os mais de 118 tipos diferentes de HPV, pelo menos 40 tipos têm potencial para infectar a mucosa anogenital de humanos.

    O HPV do tipo 16 é considerado o mais carcinogênico, sendo responsável por cerca de 55 à 60% de todos os casos de câncer cervical. O HPV 16,18,31,33 e 45 são os subtipos mais prevalentes encontrados no câncer cervical e glandulares (Adenocarcinomas), sendo que o HPV 18 é o que causa maior proporção em torno de 10 a 15% dos casos glandulares (SASLOW et. al, 2012).

    O teste de genotipagem para HPV é um teste in vitro qualitativo automatizado, onde ocorre a  detecção de DNA de papilomavírus humano (HPV) em espécimes de pacientes. O teste utiliza a amplificação do DNA alvo pela Reação em Cadeia de Polimerase (PCR) e a hibridação de ácido nucleico para a detecção de 14 tipos de HPV de alto risco em uma única análise (tipos 16, 18, 31, 33, 35, 39, 45, 51, 52, 56, 58, 59, 66 e 68).  A referida técnica se baseia na emissão luminosa que ocorre dentro dos poços de reação proporcionada por reagentes químicos que emitem luz na medida em que ocorre amplificação específica do DNA do HPV. Essa técnica diminui o risco de contaminação por se tratar de uma técnica totalmente automatizada.


    O teste fornece simultaneamente resultados individuais nos genótipos de maior risco, HPV 16 e HPV 18, em níveis de infecção clinicamente relevantes e resultado  agrupado dos outros tipos (31, 33, 35, 39, 45, 51, 52, 56, 58, 59, 66 e 68).


     

Agendar Exame

Resultados dos Exames

Esqueci a Senha

Coberturas e Planos

  • ALLIANZ
  • AMIL
  • AMIL PLANOS
  • APUB
  • ASFEB
  • BANCO CENTRAL

Sempre perto de você

#DNA CONECTADO COM VOCÊ!